fbpx

Concessão de graça no caso Daniel Silveira: Entendendo a graça

Concessão de graça no caso Daniel Silveira: Entendendo o benefício da graça

Na noite de quinta-feira (21/4), o Presidente Jair Bolsonaro concedeu uma “graça constitucional” ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), que foi condenado a mais de oito anos de prisão e à cassação de mandato pelo STF na véspera (20/04). 

Entenda melhor lendo mais abaixo:

CLIQUE AQUI – Curso Completo de Advocacia Especializada em Execução Penal – curso teórico e prático, 100% on-line, com visualizações ilimitadas das aulas, certificado de conclusão e material de apoio, Banco de peças, modelos e jurisprudências, ambiente de dúvidas diretamente com a Professora Cris Dupret, acesso ao incrível ESCRITÓRIO VIRTUAL composto pela CALCULADORA ON-LINE E FICHA DE ATENDIMENTO DIGITAL PERSONALIZÁVEIS, ferramentas que facilitam demais a vida do advogado que deseja se especializar nessa área e muito mais!

Decisão do STF no caso Daniel Silveira

O Supremo Tribunal Federal (STF) condenou o deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) a ​oito anos e ​nove meses de reclusão, em regime inicial fechado, por crimes de ameaça ao Estado Democrático de Direito e coação no curso do processo.

Para a maioria do Plenário, as declarações que motivaram a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) não foram apenas opiniões relacionadas ao mandato e, portanto, não estão protegidas pela imunidade parlamentar nem pela liberdade de expressão.

O relator da Ação Penal (AP) 1044, ministro Alexandre de Moraes, afirmou que a PGR comprovou, por meio de vídeos e registros de sessões da Câmara dos Deputados e da audiência de instrução, a materialidade delitiva e a autoria criminosa das condutas relatadas pela acusação. “Em seu interrogatório, o réu confirma o teor das falas criminosas apontadas na denúncia, reafirmando as ameaças efetivamente proferidas”, salientou.

Pena

Em razão da gravidade das condutas, o relator propôs a condenação de Silveira a oito anos e nove meses de reclusão, em regime inicial fechado, pelos crimes de incitação à abolição violenta do Estado Democrático de Direito (artigo 23, inciso IV, combinado com o artigo 18 da Lei 7.170/1983) e coação no curso do processo (artigo 344 do Código Penal). Entre os efeitos da condenação, determinou a suspensão dos direitos políticos e a perda do mandato parlamentar.

A condenação abrange, ainda, 35 dias-multa no valor de cinco salários mínimos, corrigidos monetariamente na data do pagamento (R$ 212 mil, em valores atuais).

O voto do relator foi seguido, integralmente, pelas ministras Rosa Weber e Cármen Lúcia e pelos ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Luiz Fux.

Leia mais sobre a decisão do STF CLICANDO AQUI.

Concessão da graça pelo presidente ao condenado

No dia seguinte à condenação de Daniel Silveira (21/04), o presidente da República, Jair Bolsonaro, fez publicar no Diário Oficial da União um decreto que concede o benefício da graça (perdão de pena judicial) ao deputado federal Daniel Silveira.

No decreto, o presidente determina que todos os efeitos secundários da condenação também ficam anulados, o que inclui a inelegibilidade, consequência da condenação de Silveira. A graça de que trata este Decreto é incondicionada e será concedida independentemente do trânsito em julgado da sentença penal condenatória, incluindo as penas privativas de liberdade, a multa, ainda que haja inadimplência ou inscrição de débitos na Dívida Ativa da União, e as penas restritivas de direitos. Clique aqui para ler o decreto.

Entendendo o benefício da graça

O artigo 107 do Código Penal prevê três hipóteses de perdão soberano (Indulgência Soberana por parte do Estado): A anistia, a graça e o indulto.

Ponto comum entre eles é que todos são formas de indulgência soberana. Isso não quer dizer que o Estado irá perder o direito de punir, e sim perdoar, abrir mão desse direito.

A graça é um benefício individual, que tem natureza de causa extintiva da punibilidade e não depende de pedido do condenado, podendo ser concedido espontaneamente pelo presidente da República para extinguir ou reduzir a pena imposta pela Justiça, sendo proibida sua concessão apenas para crimes de tortura, tráfico de drogas e crimes hediondos (artigo 5º, XLIII da CF).

Ela não tem o poder de anular a condenação ou o crime, mas sim de impedir que a pena seja cumprida. Assim, o beneficiado não volta a ser primário, pois os efeitos da condenação não são anulados.

A concessão do perdão presidencial, ou graça, tem base no Artigo 84, XII, da Constituição – “conceder indulto e comutar penas, com audiência, se necessário, dos órgãos instituídos em lei”.

Ainda está descrita no artigo 734 do Código de Processo Penal: “A graça poderá ser provocada por petição do condenado, de qualquer pessoa do povo, do Conselho Penitenciário, ou do Ministério Público, ressalvada, entretanto, ao Presidente da República, a faculdade de concedê-la espontaneamente”.

Comente abaixo o que achou da decisão e do decreto presidencial a favor do deputado condenado.

LIVROS - CRISTIANE dUPRET

CLIQUE NA IMAGEM

Artigos Recentes

Pesquisar

Uma resposta

  1. Achei excelente.
    Um processo cheio de vícios processuais, flagrante desrespeito a normas constitucionais, bem como diversos atropelamentos de garantias processuais. Tudo isso cometido por ministros da mais alta corte.
    Fica a demonstração que a segurança jurídica em nosso país é bem frágil.
    Basta nos colocarmos na situação do advogado do réu ou mesmo na situação do mesmo, para sentirmos o quão importante é o respeito as normas processuais e as garantias constitucionais.
    Independente de partido político, o Presidente neste caso fez justiça usando a norma constitucional, tamanho era o erro cometido pela justiça tupiniquim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Que tal conseguir muitos clientes advogando em Execução Penal?

Curso com Interação entre os alunos dentro de um grupo exclusivo, além de banco de peças editáveis, aulas em vídeo, ambiente de dúvidas e muito mais!

PARCELAMENTO NO BOLETO