fbpx
congresso

O Projeto de Lei dispensa autorização judicial para que autoridade policial acesse o serviço.

Continue a leitura mais abaixo.

Curso de Prática na Advocacia Criminal (CLIQUE AQUI) – Desde a contratação até a Sustentação Oral, com aulas em vídeo, dúvidas diretamente com Cristiane Dupret e Banco de Peças Editáveis.
Teses Defensivas na Prática Penal (CLIQUE AQUI)
ATENÇÃO: Clique Aqui, associe-se ao IDPB, tenha acesso imediato a 4 cursos completos e entre em um grupo do whatsapp com interação entre advogados de todo o Brasil.
Seja atendido pelo whatsapp CLICANDO AQUI
Siga o Perfil da nossa Presidente no Instagram para acompanhar as novidades CLICANDO AQUI

O Projeto de Lei 1392/21 facilita o acesso ao Banco Nacional Multibiométrico e de Impressões Digitais, criado para ajudar a identificar pessoas que tenham cometido crimes, dispensando a autorização do juiz para tanto.

Pela proposta, do deputado Carlos Jordy (PSL-RJ), a autoridade policial e o Ministério Público poderão simplesmente requisitar o acesso a esse banco para a instrução de inquérito ou de procedimentos investigatórios criminais.

Atualmente, conforme a Lei de Identificação Criminal do Civilmente Identificado, esse acesso deve ser requerido ao juiz competente, no caso de inquérito ou ação penal instaurados.

A proposta tramita na Câmara dos Deputados e, segundo Carlos Jordy, facilitaria a investigação criminal, independentemente de qualquer permissão por outra autoridade. “A medida contribuirá para o melhor desenvolvimento do processo penal e da Justiça”, defende o autor.

Criado no âmbito do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o Banco Nacional Multibiométrico e de Impressões Digitais tem como objetivo armazenar dados de registros biométricos, de impressões digitais e, quando possível, de íris, face e voz, para subsidiar investigações criminais federais, estaduais ou distritais.

Esses dados, de caráter sigiloso, são colhidos em investigações criminais ou por ocasião da identificação criminal.

Tramitação

O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Se curtiu, comente abaixo e dê sugestões de temas que gostariam de ver nos próximos conteúdos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSCRIÇÃO GRATUITA

 

DE 28 DE SETEMBRO A 03 DE OUTUBRO

JORNADA COMEÇANDO DO ZERO

NA EXECUÇÃO PENAL