fbpx

STF reafirma que falta de revisão em 90 dias não justifica a revogação automática da prisão preventiva

Falta de revisão no prazo de 90 dias não justifica a revogação automática da prisão preventiva

Encerrou ontem (08/03) o julgamento em plenário virtual do STF, onde se formou maioria para reafirmar que a falta de revisão no prazo de 90 dias não justifica a revogação automática da prisão preventiva. Ainda votarão os ministros Luís Roberto Barroso, Ricardo Lewandowski, Kássio Nunes Marques e Luiz Fux. 

Leia mais abaixo:

Curso de Prática na Advocacia Criminal te ensina desde os aspectos mais básicos como o atendimento ao cliente, até as atuações mais complexas como a sustentação oral.
O curso está com uma condição imperdível! Para ter acesso vitalício ao curso CLIQUE AQUI e ao fazer sua matrícula, escolha o acesso vitalício – ao invés de 1 ano de acesso, você poderá acessar enquanto o curso existir!

Discussão sobre a consequência da inobservância do prazo nonagesimal previsto no art. 316 do CPP

Ao analisar as ADI 6.581 e ADI 6.582, o STF reafirmou entendimento proferido pela corte no ano de 2020: A inobservância do prazo nonagesimal do artigo 316 do Código de Processo Penal não implica automática revogação da prisão preventiva, devendo o juízo competente ser instado a reavaliar a legalidade e a atualidade de seus fundamentos.

Tanto a ADI 6.581, quanto a ADI 6.582, contestavam o parágrafo único do artigo 316 do Código de Processo Penal, que exige a revisão nonagesimal da preventiva, “sob pena de tornar a prisão ilegal”.

Além de manterem o entendimento de 2020 citado acima, a corte estipulou que a revisão não é necessária nos casos em que a segunda instância já confirmou a prisão cautelar. Por outro lado, ficou estabelecido que a revisão deve ocorrer também nos processos em que houver previsão de prerrogativa de foro.

O relator do caso ministro Edson Fachin destacou que “não há razões para se supor, uma vez reconhecido o estado de coisas inconstitucional do sistema penitenciário, que o direito abstrato à segurança deveria se sobrepor à regra geral da locomoção para, nos termos propostos na inicial, invalidar a exigência de revisão nonagesimal da prisão preventiva”.

Veja a íntegra de alguns votos abaixo:

Leia o voto do ministro Gilmar clicando aqui.

Leia o voto do ministro Alexandre clicando aqui.

Leia o voto do ministro Fachin clicando aqui.

Fonte: STF

LIVROS - CRISTIANE dUPRET

CLIQUE NA IMAGEM

Artigos Recentes

Pesquisar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.