fbpx
balança justiça

Recentemente, em 14 de julho de 2021, a Segunda Turma do TJ DF, ao julgar o Agravo em Execução 07127318320218070000, aplicou o entendimento do STJ para progressão de regime.

Continue a leitura mais adiante.

Curso de Prática na Advocacia Criminal (CLIQUE AQUI) – Desde a contratação até a Sustentação Oral, com aulas em vídeo, dúvidas diretamente com Cristiane Dupret e Banco de Peças Editáveis.
Teses Defensivas na Prática Penal (CLIQUE AQUI)
ATENÇÃO: Clique Aqui, associe-se ao IDPB, tenha acesso imediato a 4 cursos completos e entre em um grupo do whatsapp com interação entre advogados de todo o Brasil.
Seja atendido pelo whatsapp CLICANDO AQUI
Siga o Perfil da nossa Presidente no Instagram para acompanhar as novidades CLICANDO AQUI

Destaque do inteiro teor

Abaixo, destacamos trechos do inteiro teor.

“O crime hediondo cometido pelo agravado não teve resultado morte.

A fração da pena a ser cumprida, em casos que tais, será de 40% (2/5), se primário, ou 60% (3/5), “se o apenado for reincidente na prática de crime hediondo ou equiparado” (incisos V e VII).

A nova lei, diferentemente do que dispunha o art. 2º, § 2º, da L. 8.072/90, passou a exigir, para a adoção de percentuais maiores de progressão de regime (70% e 60%), que o apenado seja reincidente específico em crimes hediondos ou equiparados com ou sem resultado morte.

Ainda que a L. 13.964/19 tenha conferido, de modo geral, tratamento mais rigoroso para crimes graves, sobretudo no âmbito da criminalidade organizada, isso não significa que todas as alterações vieram no mesmo sentido.

E não se pode conferir interpretação prejudicial ao apenado, a teor do que dispõe expressa e literalmente a nova legislação.

A disposição – expressa e clara – da lei não permite outra interpretação. A exigência de cumprimento de 60% da pena somente se aplica aos condenados reincidentes em outro crime hediondo ou equiparado.

O crime anterior cometido pelo agravado é de natureza comum – tráfico privilegiado. Por se tratar de reincidência genérica, não se enquadra no critério do inciso VII do art. 112 da LEP.

Não traz a lei percentual de cumprimento de pena para progressão de regime no caso do condenado por crime hediondo reincidente em crime comum.

Logo, a nova lei, porque mais benéfica ao agravado, retroage em seu favor (art. 5º, XL, da CF). É de ser observado, no caso, o percentual mais favorável — 40% (2/5) (inciso V do art. 112 da LEP).”

Ementa do caso relacionado

Execução penal. Crime hediondo e equiparado a hediondo. Progressão de regime. Reincidência em crime comum. Fração. 1 – O inciso VII do art. 112 da LEP, incluído pela L. 13.964/19 (?Pacote Anticrime?), que estabelece percentual maior para progressão de regime (60% – 3/5), diz respeito a apenado por crime hediondo ou equiparado reincidente em outro crime hediondo ou equiparado. 2 – Crime cometido anteriormente ao crime hediondo ou equiparado, de natureza comum, não impede que a progressão de regime seja após o cumprimento de 40% da pena – 2/5, hipótese em que se aplica, retroativamente, o atual inciso V do art. 112 da LEP, que é mais benéfico ao apenado. 3 – Agravo não provido. (TJ-DF 07127318320218070000 DF 0712731-83.2021.8.07.0000, Relator: JAIR SOARES, Data de Julgamento: 01/07/2021, 2ª Turma Criminal, Data de Publicação: Publicado no DJE : 14/07/2021 . Pág.: Sem Página Cadastrada.)

Clique aqui para ler o inteiro teor.

Fonte: Jusbrasil

Se curtiu, comente abaixo e dê sugestões de temas que gostariam de ver nos próximos conteúdos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *